Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lume Brando

27
Mar20

Feijoada de quarentena [Diz-me o que lês #30]

Feijoada de quarentena

feijoada-quarentena-1.jpg

DIZ-ME O QUE LÊS, DIR-TE-EI O QUE COMES #30

"O Homem que comia tudo" - Ricardo Dias Felner - Quetzal*

 

Por estes dias, a situação inédita de vivermos em Estado de Emergência, devido à pandemia do COVID-19, mantém-se. É um tempo de incerteza, de angústia, de confinamento em casa. E isto para quem é privilegiado e pode, de facto, ficar em casa.

 

Esta edição do #Dizmeoquelês, sobre o livro "O Homem que comia tudo", de Ricardo Dias Felner, é, por isso, especialmente dirigida a quem agora está mais por casa, e:

 

a) tem mais tempo para ler

b) precisa de cozinhar receitas simples, com ingredientes básicos

 

Ricardo Dias Felner é jornalista e crítico gastronómico, com textos publicados em vários jornais e revistas: Expresso, Público, Visão, Sábado, Time Out e Grandes Escolhas, entre outros. No início deste ano lançou o livro "O homem que comia tudo", que é também o nome do seu blog, sob a chancela da Quetzal.

 

Feijoada de quarentena

 

Convém esclarecer o quanto antes que o livro de Ricardo (que tem também um romance publicado, "Herói no vermelho"), não é um livro de receitas. É um livro que reúne uma série de crónicas e artigos sobre diversos aspetos e temas ligados ao universo da comida, nomeadamente sobre a comida portuguesa.

Uma vez por outra, surge uma receita, uma partilha do autor sobre as suas próprias experiências ao fogão. O Ricardo não gosta apenas de comer e de falar sobre comida. Também gosta de cozinhar. E de ir às compras, à procura dos melhores ingredientes.

 

Os textos são criativos e bem humorados. A mim fez-me lembrar a escrita de Anthony Bourdain. O que só pode ser bom, certo? O relato da sua aventura para encontrar e cozinhar insetos (não aconselhável a estômagos sensíveis, a par da crónica sobre os pratos mais estranhos que se comem no nosso país, como a caneja de infundície 🙈), o longo artigo sobre a odisseia da pesca à sardinha ou as odes ao bom pão, são apenas alguns exemplos do que pode ser lido ao longo destas 260 páginas, com muito prazer e curiosidade. E com um pouco de inveja também.

Feijoada de quarentena

 

De entre as 8 ou 9 receitas do livro, escolhi a "Feijoada de chouriço picante à Relvas" (têm de ler o livro para perceber por que se chama assim!), para experimentar e trazer aqui. Não a segui à risca porque não tinha os ingredientes exatos e o que precisamos neste momento é de sermos flexíveis na hora de cozinhar.

 

O feijão - seja vermelho, manteiga (o indicado na receita) ou outro, é presença nos armários por estes dias e permite que não gastemos a proteína que podemos usar noutra refeição. Os restantes ingredientes não são muitos, nem são difíceis de haver aí por casa, digo eu. A receita original pede vinho branco. Eu não tinha. Substituí por um pouco de vinho do Porto. O tomate pedido era um tomate maduro. Eu só tinha tomate-cereja ou pelado de lata, que também serve. E por aí fora, percebem a ideia. No final, saiu uma feijoada rápida e deliciosa, aprovadíssima por dois adolescentes sempre com fome, cuja receita segue mais abaixo.

 

Resumindo: "O Homem Que Comia Tudo", como se pode ler na contracapa, "viaja em redor da mania portuguesa pela comida". É por isso um livro obrigatório para todos os que adoram comer ou falar sobre comida, o que pelas minhas contas corresponde a 99% da população portuguesa. Bem escrito, com humor e muitas informações úteis, desde onde encontrar carne de confiança aos restaurantes de frango assado onde se fica a lamber os dedos (se não podemos seguir estas dicas agora, servem de plano para quando a tormenta passar, rezando para que tudo continue no mesmo sítio). Acima de tudo, são páginas de puro entretenimento. Que é o precisamos para nos distraímos por estes dias.

 

Saber mais ou comprar o livro "O homem que comia tudo" >>> Livraria Bertrand online

 

*Este post inclui links afiliados.

Feijoada de quarentena

FEIJOADA DE QUARENTENA

A partir da receita de feijoada do livro "O Homem que comia tudo", de Ricardo Dias Felner

 

Para 3 ou 4 pessoas

1 frasco de feijão vermelho

1 cebola grande picada

1 cenoura grande às rodelas finas

1 tomate pelado de lata + um pouco do sumo

3 dentes de alhos picados

1/2 folha de louro

1 chouriça às rodelas

2 colheres de sopa de vinho do Porto

Um bom fio de azeite

Cominhos em pó qb

Píri-piri em pó qb

Sal qb

 

Coloque no tacho um bom fio de azeite a aquecer.

Junte a cebola picada.

Passado uns dois minutos, junte o alho e deixe cozinhar um pouco.

Junte o chouriço e deixe largar um pouco da gordura.

Junte o louro e a cenoura, mexa, e deixe cozinhar uns dois minutos.

Adicione o tomate, o vinho, o feijão e tempere com sal, píri-piri e cominhos em pó.

Tape e deixe cozinhar, no mínimo, 15 minutos.

Prove e retifique os temperos. Sirva com arroz branco.

 

MAIS RECEITAS SIMPLES PARA A QUARENTENA:

Peixe escondido

Omolete de cogumelos shiitake em conserva

Salada de salsichas e pimentos

Almôndegas de salsicha fresca

Esparguete com conchas

13
Mar20

Bombons de coco [Diz-me o que lês #29]

Bombons de coco

Bombons de coco

Escrevo este post na semana em que o corona vírus começa a tomar verdadeiramente conta das nossas vidas. De simples notícia vinda de um país a milhares de quilómetros de distância, o bicho mau fez o seu caminho, lentamente, e agora é tempo de agir. Ou melhor, de não fazer (quase) nada: ficar por casa e proteger as nossas pessoas mais vulneráveis. Ser responsável e pensar que se custa este isolamento forçado, muito mais irá custar se as coisas se descontrolarem.

 

Mas como de COVID19 já temos muito quem nos fale, passemos a uma coisa boa: o livro desta edição do "Diz-me o que lês, dir-te-ei o que comes", rubrica que conta, como sempre, com o apoio da livraria Bertrand.*

Bombons de coco

DIZ-ME O QUE LÊS, DIR-TE-EI O QUE COMES #29

"Vegan para todos" - André Nogueira e Rita Parente - IN Editora

Na capa do livro, vemos um selo a informar de que esta é já a "4ª edição". Não é de admirar: para além de bonito, o livro está muito bem feito. São dois os autores: André Nogueira e Rita Parente, a dupla por detrás do Cocoon Cooks, o blog onde partilham receitas vegan, dicas para uma vida mais sustentável e relatos sobre as suas viagens.

No livro, encontramos 80 receitas veganas, agrupadas nos seguintes capítulos:

  • De manhã
  • Para brindar
  • À mesa
  • Doces, doces
  • Fora de horas
  • Complementos

 

Para além das receitas, o livro dedica ainda algumas páginas ao veganismo e a alguns ingredientes-chave, aos utensílios de cozinha que a dupla de autores acha mais essenciais e à melhor forma de usar o livro e tirar partido das suas receitas. No final, temos ainda algumas sugestões de menus ("Marmitas para os dias da semana", "Ideais para congelar", "Jantar com amigos", "Serão de jogos de tabuleiro", "Quadra natalícia", Piqueniques e roadtrips", "Barbecue/almoço de verão" e "Brunch de fim de semana").

Livro Vegan para todos

O livro está muito bem escrito, num tom bem-disposto e criativo e onde se nota a atenção ao detalhe. E se as fotografias, irrepreensíveis, são da autoria do André, já o design gráfico e as ilustrações são da Rita.

No que diz respeito às receitas, apesar de todas parecerem deliciosas, tenho de destacar as sobremesas. Nos livros de cozinha vegan, as sobremesas são, muitas vezes, o ponto fraco. Mas a verdade é que as sugestões doces do livro 'Vegan para todos' têm um aspeto incrível, com destaque para a "Tarte de banana da Madeira", a "Tarte de batata doce",  o "Cheesecake de caramelo salgado e amêndoa torrada", os "Donuts de verdade" ou os aprovados "Bombons de coco com cobertura de chocolate", cuja receita partilho mais abaixo (fazem mesmo lembrar o mítico chocolate Bounty!).

 

Resumindo: "Vegan para todos" é um livro consistente, que promete agradar mesmo a quem não seja vegetariano ou vegano, desde que se goste de receitas criativas e saudáveis. É bastante completo, pois combina informação sobre o veganismo com receitas para os vários momentos do dia e diferentes ocasiões. As imagens são muito bonitas e o design gráfico é leve, funcional e apelativo. Definitivamente, um dos meus livros favoritos da rubrica, so far!

Para comprar ou saber mais sobre o livro >>> Livraria Bertrand

*Este post contém links afiliados

Bombons de coco

BOMBONS DE COCO

Ligeiramente adaptado do livro “Vegan para todos”,

de André Nogueira e Rita Parente

 

Para 25-28 bombons

1 lata de leite de coco refrigerada durante a noite

70 ml de geleia de agave

180 g de coco ralado

1 colher de sopa de farinha de coco

1 pitada de sal

170 g de chocolate negro em pedaços

2,5 colheres de chá de óleo de coco

 

Abrir a lata de coco e retirar para um tachinho a parte sólida que se formou na parte superior da lata (o creme), descartando a água.

Juntar a geleia de agrave e levar ao lume até derreter e obter uma mistura líquida uniforme.

Numa taça, colocar o coco ralado, a farinha de coco e a pitada de sal.

Adicionar a mistura de creme de coco e a geleia de agave e envolver tudo muito bem, até se obter uma mistura moldável.

Com uma colher de sopa - o ideal é usar uma colher-medidora - retirar pedacinhos desta massa e formar bolinhas, que devem ficar do tamanho de brigadeiros ou um pouco mais pequenas.

Colocar sobre um tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao frigorífico durante cerca de 30 minutos.

Entretanto, derreter o chocolate com o óleo de coco em banho-maria.

Retirar as bolinhas do frigorífico e envolvê-las no chocolate derretido, com a ajuda de uma colher ou garfo.

Colocar a secar sobre papel vegetal ou sobre uma rede protegida com papel vegetal por baixo.

Levar ao frigorífico até servir.

Conservam-se até sete dias num recipiente hermético no frigorífico ou até seis semanas no congelador.

 

SE GOSTARAM DESTA RECEITA, TAMBÉM VÃO GOSTAR DESTAS:

28
Fev20

Malassadas dos Açores [Diz-me o que lês #28]

Malassadas

Malassadas

 

DIZ-ME O QUE LÊS, DIR-TE-EI O QUE COMES #28

"Comer à Moda dos Açores" - Rúben Pacheco Correia - Editora Contraponto

Fui uma única vez aos Açores, há 25 anos. Foi uma viagem incrível, que incluiu passagens por São Miguel, Faial e Terceira. Da componente gastronómica, lembro-me apenas do milho frito e das queijadas de Vila Franca do Campo, que comi em São Miguel, e da Alcatra da Terceira. Era muito nova e, apesar de nessa altura já gostar do universo culinário, o blog ainda nem em sonhos existia e a minha cabeça estava ocupada com questões mais... existenciais.

 

Mas o carinho pelo arquipélago ficou e gostava de um dia lá voltar, em família. Enquanto isso não acontece, posso ir sentindo a alma açoriana através deste livro acabado de lançar, de Rúben Pacheco Correia, açoriano de gema e grande entusiasta da cozinha regional, dono do restaurante Botequim Açoriano em Rabo de Peixe, São Miguel.

 

malassadas15.jpeg

 

Basta começar a folhear e a ler para perceber que este é um livro feito com muito amor. Amor pelos Açores, pelas suas receitas tradicionais e pela partilha genuína. Sente-se de imediato que este é um projeto que Rúben Correia (que com apenas 23 anos já tem vários livros publicados, incluindo de contos e um romance) abraçou com grande motivação e para o qual canalizou muita da sua energia - as várias fotos onde Rúben aparece ao longo do livro espelham bem o seu entusiasmo pela cozinha açoriana e pela missão de a difundir.

 

De facto, mais do que um livro de receitas, este é um livro sobre os Açores e a sua cultura. No seu índice encontramos os seguintes capítulos:

  • Introdução à história e geografia dos Açores
  • Introdução aos produtos e gastronomia dos Açores
  • Lugares, tradições e festividades gastronómicas
  • Entradas e sopas
  • Peixes
  • Carnes
  • Sobremesas
  • Compotas
  • Pães

 

É um livro que nos ensina muito e que vale para lá da utilidade das receitas. Aliás, muitas das suas receitas são mais interessantes enquanto conteúdo informativo, do que para replicar nas nossas cozinhas. Em alguns casos, não será fácil encontrar os ingredientes, pelo menos aqui no continente, como é o caso das famosas lapas e da erva do calhau. Ainda assim, o livro inclui sugestões fáceis e apelativas, como por exemplo a Morcela com Ananás, a Açorda de Inhame ou o Atum de Cebolada.

 

Comer à moda dos Açores

A receita que escolhi para testar foram as Malassadas, um doce típico do Carnaval açoriano. Tal como Rúben nos conta no livro, trata-se de uma receita muito antiga, que hoje é também um doce tradicional do Havai, levado pelos açorianos que para lá emigraram. Ali a popularidade das malasadas é tal, que a terça-feira de Carnaval é chamada de 'Malasada Day'.

 

Ora bem, as minhas devem ser as malassadas mais imperfeitas de toda a história das malassadas. Quando fui fritá-las, a massa colava-se bastante às mãos, mesmo tendo passado estas por óleo, e por isso ficaram uma espécie de malassadas extraterrestres, com umas formas muito estranhas. Mas imagino que de sabor não tenham ficado muito diferentes das originais. No fundo, são uma espécie de sonhos ou farturas, ainda que a massa se confecione de outra maneira.

 

Resumindo: "Comer à Moda dos Açores - Manual de Cozinha Açoriana" é um livro bonito, com conteúdo muito interessante sobre a tradição gastronómica destas ilhas. O design gráfico é  simples mas funcional e as fotografias, presentes em todas as receitas, cumprem o objetivo. As receitas, nomeadamente as de doces, surgem por vezes explicadas de forma demasiado sumária e com quantidades um pouco desanimadoras para replicar em casa (o Bolo da Sertã, por exemplo, pede 2 kg de farinha de milho). A referência ao número de doses ou pessoas que rende cada receita também não é referido, o que pode ser um constrangimento na hora de levar o livro para a cozinha.

 

Como sempre, esta rubrica contou com o apoio da Livraria Bertrand, onde pode comprar e saber mais sobre o livro >>> Bertrand Online*

 

*Este post contém links afiliados

Malassadas

 

MALASSADAS DOS AÇORES

Receita adaptada, em termos de quantidades, do livro "Comer à Moda dos Açores", de Rúben Pacheco Correia

 

500 g de farinha (usei farinha de trigo 55 sem fermento)

10 g de fermento de padeiro fresco

1,5 colheres de sopa de açúcar

Sumo de 1,5 laranjas

1/2 cálice de aguardente

4 ovos

Pitada de sal

Leite qb

Óleo para fritar

Açúcar para polvilhar

Canela para polvilhar (opcional)

 

Dissolver o fermento num pouco de água fria.

Numa bacia grande, peneirar a farinha e abrir uma cavidade ao centro.

Colocar aí o fermento, o sumo de laranja, o sal e a aguardente. Misturar.

Acrescentar um ovo de cada vez, incorporando-os bem (confesso que como a massa estava a ficar com alguns grumos, amassei-a, depois dos 4 ovos adicionados, na batedeira, com o gancho das massas).

Se se achar que a massa está muito densa, junta-se um pouco de leite até ficar uma espécie de polme grosso.

Tapar a bacia com um pano e embrulhar numa manta para levedar melhor.

Deixar levedar durante duas a três horas ou até ter aumentado bastante de volume.

Com as mãos untadas em óleo, retirar pedaços de massa, esticá-los com os dedos dando-lhes uma forma arredondada e achatada e fritá-los em óleo bem quente. Passe-os primeiro para um prato forrado com papel de cozinha e depois por açúcar.

Nota: apesar da receita não mencionar, eu juntei um pouco de canela em pó ao açúcar.

 

OUTRAS RECEITAS DOCES TRADICIONAIS:

27
Fev20

A minha receita de hummus de pimento [E o vinho do Lidl]

O vinho do Lidl

O vinho do Lidl

 

"Não julgues o vinho pelo rótulo!", "Não julgues o vinho pelo rótulo!"

Este tem sido o meu mantra desde que no fim de semana passado fui à Essência do Vinho, a convite do Lidl e do seu projeto Casa do Vinho.

 

De facto, não sendo especialista na matéria, mas sendo consumidora ocasional, em contexto de festa ou num jantar mais caprichado, muitas vezes escolhi o vinho pelo rótulo e pelo nome, de forma apressada, a meio das compras. Ou seja, não sou daquelas pessoas que vão a uma garrafeira para se aconselharem ou têm uma app instalada no telemóvel com críticas e pontuações a vinho. E como não gosto de gastar fortunas, também presto atenção ao preço das garrafas.

 

No entanto, confesso que até agora olhava para muitos dos vinhos à venda no Lidl com alguma desconfiança. Porque não os conhecia e achava os preços (mesmo para mim, que olho para os preços e sou um pouco forreta, incrivelmente baixos). Too good to be true, conhecem a sensação?

 

O vinho do Lidl

 

Foi por isso uma agradável notícia, saber pela voz da especialista Maria João Almeida, que as marcas próprias e exclusivas do Lidl são vinhos com uma excecional relação qualidade-preço, sendo criados e produzidos por enólogos e quintas de referência.

 

Tanto na Essência do Vinho, evento que decorreu no Palácio da Bolsa, no Porto, como no jantar que se seguiu, pudemos provar vários dos vinhos Lidl e confirmar que não é preciso gastar muito dinheiro para servir um bom vinho aos nossos amigos e familiares, existindo opções adequadas aos mais diversos pratos e momentos.

 

Um exemplo é o Azinhaga de Ouro da região do Douro. Na versão 'branco' é um vinho leve e fresco, de acidez equilibrada. Combina as castas Malvasia Fina, Viosinho e Gouveio e, sendo um vinho seco, apresenta no entanto alguma doçura. Custa €2,29 a garrafa.

 

Já o Azinhaga de Ouro 'tinto reserva', feito de uvas Touriga Nacional, Touriga Francesa e Tinta Roriz apresenta uma intensidade média, mostrando-se seco e equilibrado. Cada garrafa custa €2,99.

 

São vinhos simples, para todos os dias, que podemos servir com pratos e petiscos leves, sendo o Azinhaga de Ouro Branco adequado, por exemplo, para acompanhar queijos suaves ou marisco cozido (ou o meu hummus de pimento), e o Azinhaga de Ouro Tinto Reserva apropriado para fazer companhia a umas espetadas de peru (ou a uma paleta de porco preto, digo eu).

 

O vinho do Lidl

 

Para além dos vinhos do Douro, nas prateleiras do Lidl há vinhos próprios e exclusivos igualmente económicos e 'corretos' de outras regiões: Dão, Alentejo, Setúbal, incluindo vinhos licorosos. Para saberem mais, espreitem aqui.

 

E antes de passarmos à minha receita de hummus de pimento e brindarmos com Azinhaga de Ouro aos dias mais luminosos que aí vêm, queria só partilhar algumas dicas que nos foram passadas pela Maria João no evento do Lidl, e que ajudam a decidir que vinho servir com os nossos pratos e receitas:

 

  • Um prato leve pede um vinho simples e fresco e um prato mais complexo e condimentado pede um vinho mais encorpado; isto para que o sabor da comida não anule o sabor do vinho nem vice-versa;
  • Os pratos mais fortes em gordura ficam bem acompanhados de um vinho com uma boa acidez, para ajudar a 'cortar' a gordura - exemplo: leitão e espumante;
  • O vinho que acompanha a sobremesa deve ser mais doce do que esta, caso contrário irá parecer amargo e sem sabor.

 

De seguida deixo-vos o meu hummus de pimento vermelho (na verdade, não sei se posso chamá-lo de hummus porque não leva tahini, a pasta de sésamo típica desta receita árabe), receita bastante pedida quando partilhei uma outra foto no IG.

Cheers!

O vinho do Lidl

 

HUMMUS DE PIMENTO VERMELHO [SEM TAHINI]

 

1 frasco de grão de bico cozido

130 g de pimento vermelho assado em conserva, bem escorrido

2 dentes de alho

75 g de azeite

1 fio de sumo de limão

Pimenta preta qb 

Opcional: azeite, paprika e sementes de sésamo para decorar

 

Passar o grão por água e escorrer bem.

Colocar todos os ingredientes num robot de cozinha (à exceção dos ingredientes opcionais/para decorar), e pulsar até obter uma pasta espalhável.

Verificar a textura, provar e retificar algum ingrediente, se for necessário.

Notas:

- Normalmente não adiciono sal, mas é uma questão de provarem e verem se é necessário acrescentar.

- Aguenta bem até três ou quatro dias, bem fechado, no frigorífico.

 

MAIS RECEITAS PARA PETISCAR:

21
Fev20

Salame de chocolate saudável [para comer quase sem culpa]

Salame de chocolate saudável

 

Cá em casa todos gostamos de salame de chocolate. Mas a verdade é que as receitas clássicas são um atentado a qualquer tentativa de levar uma alimentação equilibrada e sem asneiras. Sim, porque quem é que consegue comer uma só fatia?!

 

Já testei várias receitas mais saudáveis, mas nunca fiquei tão satisfeita como com esta, que descobri no livro da cadeia de restaurantes Go Natural (um livro fantástico btw).

 

Confesso que fiz o salame a medo, tão inovadora me pareceu a receita, sem manteiga, sem ovos e sem açúcar. Como não podia deixar de ser, fiz algumas alterações ao original, mas foram mínimas: usei bolacha maria integral, dobrei as quantidades, troquei a maçã pela pêra e envolvi-o em açúcar em pó, para lhe dar um aspeto mais "credível" 🤣

 

Se fizerem este salame, digam-me se gostaram tanto dele como eu!

Salame de chocolate saudável

SALAME DE CHOCOLATE SAUDÁVEL

Adaptado ligeiramente a partir de uma receita do livro "Let's Go Natural"

 

220 g de bolacha maria integral (compro no Lidl)

100 g de pêra ralada

90 g de chocolate em pó

90 g de queijo creme (usei Philadelphia)

Açúcar em pó para envolver (opcional)

 

Triture a bolacha grosseiramente.

Junte a pêra ralada, o chocolate em pó e o queijo creme.

Molde em forma de salame e embrulhe em papel vegetal.

Leve ao frigorífico para ganhar consistência.

Se quiser, passe por açúcar em pó e ate o salame com um fio, para fingir que é um salame de carne.

 

Notas:

- Usei o robot de cozinha para triturar a bolacha e depois introduzi os restantes ingredientes e pulsei aos poucos até obter uma mistura moldável;

- Ralei a pêra num ralador manual;

- Não aconselho a trocarem o chocolate em pó por cacau: uma vez que não leva açúcar, poderia ficar amargo.

 

OUTRAS RECEITAS SAUDÁVEIS COM CHOCOLATE:

 

14
Fev20

Almôndegas vegetarianas [Diz-me o que lês #27]

Almôndegas vegetarianas

Livro Vegetariano em part-time

DIZ-ME O QUE LÊS, DIR-TE-EI O QUE COMES #27

"Vegetariano em part-time" - Jo Pratt - ArtePlural Edições*

 

Quando vi o título deste livro, identifiquei-me de imediato.

"Vegetariano em part-time" é uma forma bem mais criativa de designar o 'flexitariano', ou seja, aquele que nos seus hábitos alimentares inclui a carne (e o peixe), de vez em quando, mas privilegia os ingredientes de origem vegetal e as refeições vegetarianas. Parabéns, por isso, para quem traduziu para português o título do livro, que no original é "The flexible vegetarian".

Se aí desse lado estão também a fazer este caminho flexitariano, vão adorar este livro.

 

Livro Vegetariano em part-time

 

Aviso à navegação: este livro, com grande pena minha, não tem receitas de sobremesas.

Pelas minhas contas, são quase 90 receitas 'salgadas', distribuídas por diferentes tipos e momentos de refeição como podem ver no índice:

 

  • Introdução
  • A despensa de um vegetariano flexível
  • Pequenos-almoços e brunches
  • Sopas/caldos
  • Pratos simples
  • Pratos elaborados
  • Molhos/petiscos
  • Carne/Peixe cozinhados no ponto
  • Índice remissivo
  • Agradecimentos

 

São receitas desempoeiradas, modernas e criativas, que pometem ter bastante sabor. Foi difícil escolher a receita para trazer a este post. Acabei por optar pelas almôndegas, cujo nome original é 'almôndegas de beringela e quinoa com molho de tomate', porque tinha encontrado umas beringelas ótimas na feira e assim já tinha uma das refeições da semana decidida (ainda que tivesse algum receio de que os rapazes não fossem gostar).

 

Não posso dizer que estas são as melhores almôndegas vegetarianas que já comi, mas não ficaram nada mal e os rapazes aderiram facilmente a esta opção sem proteína de origem animal. Serviram-se mais do que uma vez, e o mais velho, no início um pouco reticente, terminou a mencionar a célebre frase "Primeiro estranha-se, depois entranha-se" 😆

 

No livro, de destacar que, à exceção das receitas do capítulo "Carne/peixe", todas as receitas são vegetarianas. A componente 'flexível' é dada como comentário ou sugestão de rodapé, em que a autora nos diz como podemos incluir ingredientes de origem animal na receita, de forma a torná-la um pouco diferente ou mais substancial.

 

Quanto à autora, Jo Pratt, é uma chef e food stylist inglesa, autora de livros de cozinha premiada, sendo o "Vegetariano em part-time" o seu terceiro e penúltimo livro. O mais recente dá pelo título "The flexible pescatarian".

 

Almôndegas vegetarianas

 

Resumindo: graficamente, "Vegetariano em part-time" é dos livros mais simples e simultaneamente mais bonitos de que já falei aqui. As fotografias são lindas, com um styling minimalista mas perfeito. Está bem escrito e as receitas parecem estar bem detalhadas. Definitivamente, um livro de cozinha vegetariana que dá vontade de folhear vezes sem conta e fica bem em qualquer cozinha.

 

Como sempre, esta rubrica contou com o apoio da Livraria Bertrand, onde pode comprar e saber mais sobre o livro >>> Bertrand Online

 

*Este post contém links afiliados

Almôndegas vegetarianas

ALMÔNDEGAS VEGETARIANAS

Ligeiramente adaptado da receita de beringela e quinoa do livro "Vegetariano em part-time", de Jo Pratt

 

Para cerca de 32 almôndegas

100 g de quinoa cozida

Azeite qb

1 cebola finamente picada

2 dentes de alho picados

2 beringelas médias em cubos (cerca de 450 g, pesadas inteiras)

200 g de cogumelos marron em cubos

75 g de pão ralado (usei caseiro)

50 g de queijo parmesão em lascas

50 g de azeitonas pretas descaroçadas

1 ovo

4 colheres de sopa de chia

6 colheres de sopa de flocos de aveia grossos

1 mão-cheia de folhas de manjericão

Sal e pimenta preta

 

Molho de tomate para servir

 

Numa frigideira, coloque um bom fio de azeite e refoque a cebola até começar a querer ganhar cor. Junte o alho, deixe cozinhar um pouco e adicione as beringelas.

Quando começarem a amolecer, junte os cogumelos e deixe cozinhar até estar tudo bem macio, o que deve demorar uns 20 minutos.

Tempere com sal e pimenta e deixe arrefecer uns 10, 15 minutos.

Coloque esta mistura no robot de cozinha, junte todos os outros ingredientes, coloque um pouco mais de sal e pimenta preta e triture até obter uma mistura moldável.

Faça bolinhas, coloque-as num tabuleiro forrado com papel vegetal e leve ao frigorífico para ficarem mais firmes (eu fiz as minhas de véspera).

Quando for cozinhar, unte com azeite uma frigideira grande antiaderente, aqueça bem e cozinhe as almôndegas (sem as sobrepor, se não couberem todas na frigideira, faça em duas vezes), rodando-as com cuidado, até ficarem tostadinhas por todo.

Sirva com molho de tomate bem quente e couscous ou massa cozida.

Pode decorar com folhas de manjericão e lascas de parmesão.

 

MAIS RECEITAS VEGETARIANAS:

 

12
Fev20

Pound cake de mirtilos e framboesas [com azeite e farinha de espelta]

Pound cake de mirtilos e framboesas

 

O 'pound cake' é uma receita antiga inglesa - descobri que há referências a este bolo que datam do século XVIII -  cujo nome se deve à quantidade, em pounds (lb), ou seja, em libras, dos ingredientes, sendo que uma libra equivale a cerca de 450 gramas.

 

Assim, a receita original de pound cake pedia 1 libra de farinha, 1 libra de manteiga, 1 libra de ovos e 1 libra de açúcar (de referir que a origem do nome da moeda inglesa também está ligada a esta unidade de medida, devendo-se ao facto de, há muitos séculos, se usar o peso das moedas como sinónimo do seu valor). 

 

Quanto ao facto de, tradicionalmente, se usar uma forma de bolo retangular para este bolo, não consegui encontrar nenhuma explicação, mas é curioso que, para nós, esta forma se chame "de bolo inglês".

Pound cake de mirtilos e framboesas

 

Agora, a boa notícia, caso se tenham assustado com a quantidade dos ingredientes referida acima: este não é um verdadeiro pound cake!

 

Na verdade, com o tempo, passou a designar-se como 'pound cake' este tipo de bolo, independentemente da proporção dos ingredientes ou da inclusão de ingredientes adicionais ou alternativos. Este pound cake de mirtilos e framboesas que hoje vos trago, por exemplo, é feito com azeite em vez de manteiga e farinha de espelta em vez da farinha de trigo tradicional (e um pouco de sêmola de milho ou farinha de polenta, para conferir à massa uma textura especial).

 

Enriquecido com um glacé de limão guloso, este bolo ficou uma delícia. A única coisa que me enervou foi o facto dos frutos terem ido parar todos ao fundo da forma, apesar de os ter envolvido em farinha antes de os adicionar à massa, e apesar de ter reservado alguns que introduzi na massa apenas quando esta já estava na forma... se tiverem alguma dica infalível para que fiquem uniformemente espalhados pelo bolo, por favor partilhem!

Pound cake de mirtilos e framboesas

 

POUND CAKE DE MIRTILOS E FRAMBOESAS

 

Para o bolo

4 ovos (usei caseiros)

190 ml de azeite extravirgem suave

180 g de açúcar

Raspa de 1 limão

30 g de sêmola de milho (ou farinha para polenta)

170 g de farinha de espelta

1 colher de chá cheia de fermento em pó

1 colher de café de bicarbonato de sódio

175 g de framboesas e mirtilos (ou outros frutos vermelhos)

 

Para o glacé

1,5 chávenas* de açúcar em pó

Sumo de limão qb

*250 ml de capacidade

 

Ligue o forno nos 180º.

Unte muito bem uma forma de bolo inglês com cerca de 12 cm x 26 cm.

Numa taça, bate bem os ovos com o açúcar, o azeite e a raspa de limão.

Junte a sêmola de milho e depois, peneirando, envolva a farinha, o fermento e o bicarbonato.

Envolva os frutos em farinha (uma tentativa para que não se afundem) e junte a maior parte à massa, reservando alguns para espalhar por cima da massa já na forma (outra tentativa, algo inglória, para que não vão todos parar ao fundo).

Verta a massa para a forma, espalhe os frutos que deixou para o fim e leve a cozer cerca de 1 hora (faça o teste do palito para ver se está pronto, este deve sair limpo quando espetado no centro do bolo).

 

Para o glacé, coloque o açúcar em pó numa taça, junte um bom fio de sumo de limão e mexa com um batedor de varas. Junte mais sumo se achar que precisa, mas apenas a quantidade estritamente necessária para obter um glacé macio e brilhante, mas ainda assim grosso e opaco. Verta por cima do bolo já arrefecido. Se desejar, termine com raspas de limão.

 

GOSTARAM DESTE BOLO? ENTÃO, TAMBÉM VÃO GOSTAR DESTES:

 

31
Jan20

Bolo de ananás invertido [Diz-me o que lês #26]

Bolo de ananás

DIZ-ME O QUE LÊS, DIR-TE-EI O QUE COMES #26

"Amor em fatias" - Gilberto Costa - A Esfera dos Livros*

 

 

Por mais que me esforce, não consigo resistir a livros com receitas de bolos. Nada a fazer.

Desta vez, quem me piscou o olho foi o Amor em fatias do chef Gilberto Costa.

[Curiosidade: descobri que no Porto há uma casa de chá com o mesmo nome, "Amor em Fatias", mas pelo que li não tem nada a ver com o Chef Gilberto Costa.]

Este é já o terceiro livro deste autor. Não conheço os anteriores, sei que um é de receitas de bolachas e biscoitos, outro de sobremesas 'equilibradas', intitulado Prazer sem Pecado.

Livro Amor em Fatias

Natural dos Açores, Gilberto Costa tem o Curso Profissional de Cozinha e Pastelaria da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, a par da licenciatura em Produção Alimentar na Restauração e do Mestrado em Segurança e Qualidade Alimentar na Restauração. Atualmente é docente na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, sendo convidado com frequência para eventos e programas televisivos.

No Amor em Fatias encontramos 70 receitas de bolos "das nossas avós que nos fazem viajar no tempo", organizadas pela sua origem:

  • Alemanha
  • Áustria
  • Bélgica
  • Brasil
  • França
  • Grécia
  • Inglaterra
  • Portugal - Açores
  • Portugal - Alentejo
  • Portugal - Algarve
  • Portugal - Beira
  • Portugal - Douro e Minho
  • Portugal - Estremadura
  • Portugal - Madeira
  • Portugal - Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Suécia
  • Suiça

 

Algumas das receitas são já bastante conhecidas e comuns, outras são mais originais e apelativas, como o Bolo de Chocolate Suiço, feito com discos da massa de palitos La Reine, creme de chocolate e chantilly, ou o Bolo Mimoso, do Algarve, que leva fios de ovos e tangerina cristalizada na massa, ou ainda o Bolo de Maçã com Cerveja.

É um livro muito simples e apenas de receitas. Não há extras, como receitas de cremes, recheios ou outras preparações "de base", nem há capítulos mais teóricos ou técnicos sobre pastelaria. Mas, na verdade, também já há muitos livros que incluem esta componente, certo?

 

Bolo de ananás

 

Se é o melhor livro de receitas de bolos que já vi? Não. Até porque a descrição das receitas é muito sucinta, provavelmente por terem sido escritas por um chef de pastelaria, para quem a confeção dos bolos não tem segredo e sabe os detalhes de cor. As receitas não nos dizem, por exemplo, o tamanho das formas a utilizar.

 

Outro dos aspetos menos positivos é o facto das receitas serem bastante calóricas. Achei que, de uma maneira geral, as quantidades de açúcar poderiam ter sido reduzidas, sem comprometerem o resultado final. Aliás, no bolo de ananás que encontram mais abaixo, usei menos açúcar do que pedia a receita original e ficou ótimo. Acredito que o chef Gilberto Costa tenha querido manter-se fiel ao receituário original e, já se sabe, as nossas avós achavam que nos tinham de manter docinhos e rechonchudos.

 

Resumindo: Amor em Fatias é um livro simpático, especialmente dirigido a quem gosta de fazer bolos tradicionais e mimar os amigos e a família ao fim de semana ou nos dias de festa. Um livro para nos fazer viajar à infância e onde provavelmente vamos descobrir receitas que provámos em criança - ou os nossos pais  - e pensávamos perdidas para sempre. As fotografias são bonitas, mas por vezes o plano é tão aproximado que não nos permite apreciar o bolo da melhor maneira.

 

Como sempre, esta rubrica contou com o apoio da Livraria Bertrand, onde pode comprar e saber mais sobre o livro >>> Bertrand Online

 

*Este post contém links afiliados.

Bolo de ananás

BOLO DE ANANÁS

Ligeiramente adaptado do livro "Amor em fatias", Chef Gilberto Costa

 

Para 2 bolos com 16 cm de diâmetro

200 g de açúcar (para o caramelo)

Cerca de 14 rodelas de ananás em conserva (usei das latas pequenas do Lidl)

3 ovos (gemas + claras separadas)

180 g de açúcar 

110 ml de azeite extravirgem suave

50 ml de sumo de ananás

150 g farinha de trigo sem fermento

10 g de fermento em pó

 

Fazer o caramelo com 200 g de açúcar, num tacho de fundo espesso. Mantenha o tacho tapado, para ganhar humidade e o açúcar não cristalizar. Levantar a tampa de vez em quando, rodar o tacho, para uniformizar, e retirar do lume quando atingir uma cor de caramelo âmbar, não demasiado escuro.

Dividir o caramelo pelo fundo das formas. Precisa de ser um processo rápido, para o caramelo não solidificar - se preferir, faça 100 g de caramelo de cada vez. Untar as paredes das formas que não ficaram com caramelo, idealmente com spray desmoldante.

Distribuir as rodelas de ananás pelo fundo das formas e partir em pedacinhos o ananás restante.

Ligar o forno nos 180º.

Bater as gemas com o azeite e o açúcar. Juntar o sumo de ananás (aproveitado das latas) e o ananás em pedacinhos.

Adicionar a farinha e o fermento peneirados.

Bater as claras e e envolver suavemente no preparado anterior.

Distribuir pelas formas e levar a cozer durante cerca de 40 minutos - fazer o teste do palito para ve se está pronto.

 

NOTA: para dar aos bolos um aspeto ainda mais caramelizado, já depois dos bolos prontos fiz nova dose de caramelo e verti sobre os mesmos.

 

MAIS RECEITAS DE BOLOS INVERTIDOS DE FRUTA:

 

27
Jan20

Oficina "Nas Asas do Cacau" [Festival IndieJúnior - Porto]

oficina_indie_junior.jpg

oficina_indie_junior2.jpeg

 

Hoje não trago uma receita, mas um convite com sabor a chocolate!

No próximo dia 1 de fevereiro, sábado, às 14h30, irei dinamizar uma oficina de culinária para os mais novos, inserida na programação do 4º Festival Internacional de Cinema Infantil e Juvenil do Porto - IndieJúnior Allianz.

 

"Nas Asas do Cacau - uma oficina com sabor a chocolate" terá lugar no Hotel Zero Box Lodge, na Rua do Ateneu Comercial do Porto, nº13, muito perto do Teatro Rivoli, onde o festival tem o seu epicentro.

 

Durante cerca de uma hora, falaremos sobre este ingrediente mágico chamado chocolate, contarei uma história alusiva da autoria de José Jorge Letria e iremos decorar queques de chocolate em forma de borboleta, que os participantes poderão levar consigo - para comerem, ou para oferecerem a quem mais gostam, tal como a personagem da curta-metragem "Bolo de Coração Derretido", de Benoît Chieux, em exibição no festival, na sessão de curtas-metragem "Todos a Bordo".

 

A Oficina "Nas Asas do Cacau" é especialmente indicada para crianças dos 3 aos 10 anos, acompanhadas de um adulto. Os bilhetes estão à venda aqui >>> Bilheteira Online

Quem se junta a mim nesta viagem achocolatada? 😋

 

Indie_junior_festival.png

 

oficina_indie_junior3.jpeg

 

RECEITAS DELICIOSAS COM CHOCOLATE:

 

17
Jan20

Cupcakes de torradas com canela [Diz-me o que lês #25]

Cupcakes de torradas com canela

Cupcakes de torradas com canela

DIZ-ME O QUE LÊS, DIR-TE-EI O QUE COMES #25

"O Livro dos Bolos & Cupcakes" - Cupcake Jemma/Jamie Oliver's Food Tube - Porto Editora

 

Este é o livro mais pequeno e fino - incluindo no preço - que até agora trouxe aqui à rubrica. O que não significa que seja aquele com menos valor. Apesar de ter vários livros com receitas de bolos e cupcakes, não tinha nenhum com a chancela do canal  Food Tube, de Jamie Oliver. E queria perceber se a qualidade editorial dos livros do Jamie se mantinha nestas edições mais modestas, de autores que colaboram com o chef no desenvolvimento de receitas e vídeos.

 

A resposta é: sim. O bom gosto e o cuidado no design do livro mantêm-se e as fotografias têm igualmente a assinatura de David Loftus, essa lenda viva da fotografia de comida, ainda que se trate de um livro mais simples: cento e poucas páginas, tamanho A5 e capa 'mole'.

 

Se precisávamos de mais um livro de receitas de bolos e cupcakes? Bem, eu acho que há sempre qualquer coisa de novo e interessante em cada livro. Na clara impossibilidade de os termos todos, a escolha deve refletir os nossos gostos, as nossas preferências na hora de irmos para a cozinha ou até as nossas intolerâncias ou regimes alimentares específicos.

 

Diria que "O Livro dos Bolos & Cupcakes" é para quem ainda não tem um preconceito em relação às receitas com elevadas quantidades de manteiga e açúcar... quase que me atrevo que é um livro politicamente incorreto para os dias de hoje, tais as receitas calóricas que apresenta.

 

O livro dos bolos & dos cupcakes

 

No entanto, conscientes de que estes ingredientes não são os mais saudáveis, podemos sempre guardar estas receitas para dias especiais, ou até partir delas e das combinações de sabores que propõem, para criarmos versões mais saudáveis (não é o caso dos cupcakes de torradas com canela cuja receita que segue mais abaixo, em que respeitei quase religiosamente a receita do livro!)

 

A autora do livro é Jemma Wilson, fundadora da Crumbs & Doilies e a cara do Cupcake Jemma, o canal de Jemma no YouTube. Jemma colabora ainda com o canal de YouTube de Jamie, o FoodTube, daí ter surgido o convite do chef inglês para que fizesse o livro.

 

Para além de um breve capítulo com truques e dicas e de outro com receitas básicas de massas e coberturas, que inclui receitas como a do 'molho de caramelo salgado', de 'ganache' e de 'merengue', entre outras, o livro apresenta as receitas divididas pelas 4 estações do ano. Assim, temos sugestões mais frutadas e frescas para o verão e primavera, e sabores mais reconfortantes para as estações frias. Algumas das sugestões que achei mais interessantes, são:

 

- Cupcakes de chá verde com caramelo crocante de sésamo

- Bolo de limão, pistácio e cardamomo

- Cupcakes vegan de fudge de baunilha

- Cupcakes de mojito

- Cupcakes de amêndoa e molho de cereja (na capa do livro)

- Cupcakes mexicanos de chocolate & malagueta

- Cupcakes de pipocas amanteigadas

- Bolo de Jaffa

- E os Cupcakes de torradas com canela, cuja receita deixo mais abaixo.

 

O livro dos bolos & dos cupcakes

 

No total, "O Livro dos bolos & cupcakes" oferece-nos 50 receitas bem doces, que se comem também com os olhos.

 

Resumindo: Este é um livro prático, com boas receitas para quem ainda não afastou definitivamente o açúcar branco e a manteiga da sua cozinha. Está bem escrito, apresenta um design cuidado, colorido e algo 'feminino'. Todas as receitas surgem fotografadas e ainda que a abordagem fotográfica seja um pouco diferente da dos livros de Jamie, menos depurada, nota-se o clique experiente de David Loftus.

 

Antes de passarmos à receita, relembro que a rubrica "Diz-me o que lês, dir-te-ei o que comes" conta com o apoio da livraria Bertrand 💛

Saber mais/comprar sobre "O Livro dos Bolos & Cupcakes" >>> livraria Bertrand online

 

Cupcakes de torradas com canela

CUPCAKES DE TORRADAS COM CANELA

Ligeiramente adaptado do livro "O Livro dos Bolos & Cupcakes", de Cupcake Jemma

 

Para cerca de 12 queques

3 fatias de pão rústico

130 g de manteiga sem sal amolecida

100 g de açúcar

15 g de açúcar mascavado escuro

100 g de farinha com fermento

1/4 de colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de canela em pó

2 ovos

1 colher de sopa de leite

 

Para a cobertura:

150 g de manteiga sem sal amolecida

300 g de açúcar em pó

Canela moída a gosto

2 colheres de sopa de leite

 

Ligue o forno nos 170ºC.

Torre as fatias de pão, barre-as com manteiga e volte a levá-las ao forno ou à torradeira até estarem bem tostatinhas e possam ser trituradas no robot de cozinha. Deixe arrefecê-las, triture-as e reserve.

Forre uma forma de queques com formas de papel.

Na taça da batedeira, junte os açúcares e bata pata desfazer eventuais grumos.

Adicione, peneirando, os restantes ingredientes secos.

Junto os ovos, a manteiga e 25 g das torradas e bata com a batedeira durante 1 minuto.

Adicione o leite e bata até estar bem integrado.

Distribua a massa pelas formas de papel - não encha demasiado, apenas até 1/3 da forma de papel (é capaz de obter mais do que 12 queques).

Leve ao forno durante cerca de 20 minutos.

Deixe arrefecer um pouco, retire da forma de queques e deixe arrefecer sobre uma rede.

 

Para a cobertura, bata a manteiga até estar lisa e brilhante e depois vá juntando o açúcar em pó e a canela, batendo bem. Junte o leite - veja se necessita de adicionar mais açúcar ou mais leite, até obter um creme macio, mas com firmeza para se usar o bico pasteleiro (opcional) e aguentar a forma.

 

Termine polvilhando os queques com o pão torrado triturado e, se desejar, um pouco da mistura de açúcar granulado com canela.

Descobri (depois de os fazer!), que a Jemma tem um vídeo com esta receita! Cliquem aqui para ver.

MAIS RECEITAS DE QUEQUES E CUPCAKES:

Teresa Rebelo

foto do autor

Sigam-me

TOP 100 Food Bloggers

TOP 15 Blogs de Culinária Portugueses

Featured on

Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D